O lucro da Corticeira Amorim aumentou 7,4%, para 37,7 milhões de euros, no primeiro semestre, quando comparado com os primeiros seis meses de 2016. Este resultado foi sobretudo impulsionado pelo crescimento de 6,2% das vendas, para 355 milhões de euros.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o grupo de Mozelos, Santa Maria da Feira, adianta que a redução registada no ritmo de vendas no segundo trimestre (3,3%, face aos 9,6% do primeiro trimestre) “já tinha sido antecipada, resultante essencialmente do diferencial de número de dias de trabalho nestes períodos”.

O contributo para o crescimento das vendas consolidadas “resultou, acima de tudo, da evolução na unidade de negócio de rolhas (+8,6%), sobretudo obtido pelo efeito volume, a que se junta um impacto cambial favorável de aproximadamente 3,8 milhões de euros”.

A Corticeira Amorim foi fundada por Américo Amorim, que morreu no mês passado, aos 82 anos. Empresário do Norte, era um dos mais influentes da sua geração e, segundo a revista Forbes, o homem mais rico do país, com uma fortuna avaliada em mais de 3,8 mil milhões de euros. 

A filha de Américo Amorim, Paula Amorim, assumiu já a presidência do Grupo Amorim. À frente da empresa Corticeira Amorim, continua o sobrinho António Rios de Amorim.

As ações da Corticeira estão a recuar cerca de 1,4% em bolsa, cotando nos 11,7 euros.