A um mês do início do Web Summit, os hotéis da cidade de Lisboa esperam uma taxa de ocupação de 85% e uma subida para o dobro dos preços por quarto face ao valor cobrado em novembro de 2015.

As expectativas foram reveladas à Lusa pela responsável da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), que salientou o efeito positivo do maior evento mundial de ‘start-ups’ e empreendedorismo, que se realiza este ano, pela primeira vez, fora da Irlanda e deverá trazer a Lisboa cerca de 50.000 participantes entre 08 e 10 de novembro.

A presidente executiva da AHP, Cristina Siza Vieira, adiantou que mais de metade do total das reservas em hotéis da cidade e Área Metropolitana de Lisboa para aquele período (57%) são relativas a participantes da Web Summit, com a maioria dos hoteleiros à espera de uma taxa de ocupação de 85%.

Em novembro de 2015, a taxa de ocupação em Lisboa foi de 64,52%”, indicou, acrescentando que também os preços mostram diferenças substanciais: “o preço do mês de novembro [de 2015] fechou a 77 euros e nestes dias (8 a 10 de novembro de 2016) estão a estimar que o preço feche a 163 euros”, o que representa uma subida de mais de 100%.

Em junho, quando a AHP realizou um primeiro inquérito sobre o impacto do evento junto dos seus associados, a Web Summit era ainda “uma incógnita” e cerca de 40% dos hoteleiros ainda não tinham reservas para este período.

Mas o novo inquérito, realizado entre 15 e 28 de setembro, com uma amostra de 49% dos mais de 180 hotéis e aparthotéis de Lisboa e Área Metropolitana, demonstrou que “o impacto é muito direto”, apesar de os participantes se distribuírem por várias formas de alojamento, incluindo o local.

Acho que vamos ter realmente um impacto muito direto da Web Summit também nos hotéis”, realçou Cristina Siza Vieira.

Os dados recolhidos com este inquérito apontam ainda para alterações a nível dos principais mercados das reservas efetuadas, sobressaindo a França e Reino Unido, enquanto no ano passado, as dormidas nacionais dominaram o mês de novembro.

A responsável da AHP destacou ainda que 80% dos hotéis que responderam ao inquérito não tinham acordo ou parceria com a organização da Web Summit, que tem parcerias com 18 hotéis para o evento.