O levantamento de depósitos na semana passada atingiu números recorde, de cerca de 14.000 milhões de euros, devido a receios em torno da liquidez dos bancos gregos e do resultado das negociações do novo Governo com a troika.

De acordo com fontes citadas hoje pela agência financeira Bloomberg, desde o início de janeiro os bancos gregos já tinha perdido 11.000 milhões de euros, valor que subiu para 14.000 milhões na semana anterior à vitória do Syriza, partido anti-austeridade de esquerda, nas eleições legislativas na Grécia.

A fuga aos depósitos entre 19 e 23 de janeiro, dois dias antes das eleições, foi superior ao valor levantando dos bancos gregos em maio de 2012, no pico da crise grega e perante a possibilidade de, na altura, o país deixar a zona euro.

O setor financeiro da Grécia está a ser penalizado pelos receios quanto a resultados das negociações do novo Governo grego com a troika.

Na sessão de hoje da bolsa de Atenas, os títulos dos bancos caíram 26,67%, para 53,94 pontos e o setor financeiro foi o que mais penalizou o desempenho do índice de referência da bolsa helénica, que fechou o dia a perder 9,24%.

Perante a incerteza política e a fuga de depósitos, o Banco da Grécia alargou a linha de liquidez de emergência aos bancos do país, medida que está sujeita à aprovação do Banco Central Europeu e que precisa de ser renovada a cada duas semanas.