O Tesouro italiano colocou esta sexta-feira a oferta máxima de 3.000 milhões de euros em títulos a 10 anos a um juro de 4,5%, superior aos 4,46% pagos no leilão precedente para este prazo.

A procura da emissão de títulos a 10 anos atingiu 4.153 milhões de euros, ou seja um rácio de cobertura de 1,38 vezes, inferior ao de 1,52 vezes da emissão anterior.

Além destes 3.000 milhões de euros a 10 anos, o Tesouro italiano colocou também 3.000 milhões de euros a cinco anos a uma taxa de juro de 3,38%, a mesma paga no leilão precedente.

Neste prazo mais curto, o rácio de cobertura da emissão foi de 1,43 vezes a procura, superior ao verificado na anterior emissão a cinco anos.

A subida dos juros a dez anos, apesar de ligeira, não foi bem acolhida pelos mercados, já que os analistas previam uma descida dos mesmos.

Depois destes dois leilões, os juros da dívida soberana de Itália subiram no mercado secundário e a Bolsa de Milão acentuou a queda.

Os leilões de dívida pública de hoje ressentiram-se com a situação política italiana, designadamente com a nova ameaça dos deputados do partido Povo da Liberdade (PDL) de Sílvio Berlusconi de abandonar o governo do qual fazem parte.