A União das Misericórdias Portuguesas (UMP) informa que no âmbito da campanha de mobilização para apoio humanitário e social à população afetada pelos incêndios florestais, ocorridos em junho último na região centro do país, está a disponibilizar a plataforma digital "Juntos por Todos" para a consulta pública de todos os donativos angariados. Em comunicado, a UMP diz que pretende com esta plataforma reforçar “a total transparência do processo de gestão de donativos.”

“Através da plataforma www.juntosportodos.org, desenvolvida pela empresa F3M, poderão ser consultados de forma totalmente transparente todos os apoios concedidos e os donativos angariados”, acrescenta. Será ainda complementada com uma área reservada, acessível para os técnicos da UMP envolvidos na gestão deste processo.

A UMP volta a frisar que angariou donativos no valor de 1.811.421,59 euros, que contempla os donativos doados à conta solidária aberta na Caixa Económica Montepio Geral, as receitas (bilheteira e chamadas de valor acrescentado) obtidas com o concerto "Juntos por Todos", realizado no MEO Arena, e um concerto promovido pela Câmara Municipal de Aveiro.

Sobre o montante total angariado, a UMP “despendeu 192.610,50 euros (no pagamento do IVA e de despesas associadas ao processo, de acordo com o previsto na Lei). O montante líquido para apoio das vítimas dos incêndios é de 1.618.811,09 euros.”

O comunicado da UMP não se refere aos apoios já concedidos, mas a plataforma online criada indica que do total líquido de 1.618.811,09 euros de donativos, já foram canalizados 18.571,10 euros. Se fizermos contas, até hoje, 14 de setembro, apenas foram aplicados 1,15% do total dos fundos angariados líquidos de impostos e outras despesas.

www.juntosportodos.org

O valor dos apoios concedidos será constantemente atualizado na referida página www.juntosportodos.org e será mais detalhado, segundo indicou fonte oficial das Misericórdias, quando questionada pela TVI24.

A UMP detalha que, num total de 41 habitações permanentes, atribuídas à parceria da UMP com a Fundação Calouste Gulbenkian, em articulação com o Fundo Revita, autarquias das regiões afetadas pela catástrofe e outros parceiros, “já foram concluídas as obras de reconstrução parcial de cinco habitações das zonas afetadas pelos incêndios florestais. Está ainda em curso a reconstrução total de 12 habitações e a reconstrução parcial de 24 habitações – número em constante atualização.”

“A UMP, juntamente com a Fundação Calouste Gulbenkian, está a trabalhar continuamente em estreita articulação para apoiar todas as famílias afetadas por estes incêndios e evitar a duplicação de apoios”, conclui.

O anúncio da plataforma surge depois de, na passada semana, o destino dos donativos dos incêndios ter servido para nova guerra política entre Governo e oposição.

fundo criado pelo Governo com os donativos particulares para as vítimas de Pedrógão Grande, o Revita, tem 1,9 milhões de euros quando o total estimado de transferências é de 3,2 milhões. A informação foi prestada pelo ministro Vieira da Silva ao PSD, que exige saber onde está o resto, ou seja, 1,3 milhões. 

Os donativos arrecadados para apoiar as vítimas do incêndio de Pedrógão Grande, distrito de Leiria, podem chegar aos 15,2 milhões de euros, segundo dados do Governo, da Fundação Gulbenkian, da Cáritas Portuguesa, da União das Misericórdias e da Associação Portuguesa de Seguradores.