O Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, nomeou, nesta quinta-feira, a empresária Isabel dos Santos, filha do chefe de Estado, para as funções de presidente do conselho de administração da petrolífera estatal Sonangol, informou a Casa Civil da Presidência.

A nomeação, hoje divulgada através de um comunicado da Casa Civil do Presidente da República, acrescenta que a administração liderada desde 2012 por Francisco de Lemos José Maria (presidente do conselho de administração) é exonerada de funções, passando a empresa a ser responsável apenas pela "gestão e monitorização dos contratos petrolíferos".

A designação de Isabel dos Santos para presidente do conselho de administração e administradora não executiva da Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) surge no âmbito da reestruturação da empresa estatal e do setor petrolífero angolano, processo em que já tinha participado, conforme confirmou a 22 de janeiro, em comunicado, o comité que tratou o processo, alegando a sua experiência de 15 anos como empresária.

Também em comunicado, Isabel dos Santos disse que a nova equipa de gestão vai “implementar um novo modelo para o setor petrolífero” e um “programa de transformação".

A nova equipa vai diminuir o custo de produção e otimizar os recursos, tendo em vista aumentar a competitividade internacional do setor petrolífero angolano.”

Aumentar a rentabilidade da empresa e os dividendos dos acionistas, assegurar a transparência na gestão, melhorar a relação com os fornecedores e com os restantes parceiros e promover a responsabilidade com a comunidade, são outros objetivos da nova equipa de administração da Sonangol, liderada pela filha do Presidente de Angola.

Para administrador executivo foi nomeado, segundo a mesma informação da Casa Civil da Presidência, Paulino Fernando de Carvalho Gerónimo, que transita do conselho de administração anterior.

A nova equipa da Sonangol é composta ainda pelos administradores executivos César Paxi Manuel João Pedro, Eunice Paula Figueiredo Carvalho, Edson de Brito Rodrigues dos Santos, Manuel Luís Carvalho de Lemos, João Pedro de Freitas Saraiva dos Santos e Jorge de Abreu.

Conta ainda com os administradores não executivos José Gime, André Lelo e Sarju Raikundalia.

A nova comissão executiva da Sonangol, órgão criado por decreto presidencial de 26 de maio, vai passar a assumir a gestão corrente da petrolífera estatal angolana, incluindo propostas de contração de empréstimos ou planos de investimento.

A petrolífera estatal de Angola apresentou uma queda de 34% na receita do ano passado, face a 2014, registando igualmente uma descida dos lucros na ordem dos 45%, atribuíveis principalmente à queda do preço do petróleo.

A receita total da Sonangol em 2015 foi de 2,2 biliões de kwanzas (11,9 mil milhões de euros).

Em Portugal, a Sonangol tem participações diretas e indiretas no Millennium BCP e na Galp.