O antigo vice-governador do Banco de Portugal João Salgueiro disse esta quarta-feira que é preciso evitar vulnerabilidades nos bancos portugueses que, numa situação limite, os possam conduzir a uma resolução semelhante à do Banif.

Os promotores do manifesto 'Reconfiguração da Banca em Portugal - Desafios e Linhas Vermelhas', de que João Salgueiro é o rosto mais visível, estiveram esta quarta-feira a apresentar as suas ideias para o futuro do setor bancário português perante os deputados da Comissão de Orçamento e Finanças.

Muito crítico da resolução do Banif, decidida em dezembro do ano passado, como já repetiu muitas vezes, João Salgueiro disse que é fundamental impedir que "essa situação seja reproduzida noutros bancos portugueses".

Para o economista, "no sistema bancário português há vários casos que precisam de ser equacionados", o caso do Novo Banco, da Caixa Geral de Depósitos, BCP e mesmo outros "bancos de dimensão menor", para minimizar situações que possam vir a reduzir de forma significativa o valor destas instituições.

Há vulnerabilidades que podem levar a um desenlace parecido com o do Banif", afirmou Salgueiro, pedindo atenção às autoridades portuguesas para que - por vezes por meros "rumores" - seja colocada em causa a viabilidade de bancos.