O presidente da Comissão Europeia disse esta quinta-feira que o projeto de união bancária estará pronto este ano e, ainda que a solução encontrada «não seja a ideal», é um sistema «melhor que não ter nenhum».

José Manuel Durão Barroso falava à RTVE, numa entrevista gravada e transmitida hoje na edição de Desayunos da televisão pública espanhola, horas antes de receber em Cuacos de Yuste (Cáceres) o Prémio Carlos V, entregue pelo príncipe Felipe de Borbón, escreve a Lusa.

Na entrevista, Barroso felicitou Espanha pelo «esforço notável» dos últimos anos no intuito de superar as dificuldades económicas do país, recordando que apesar de haver muito a fazer o país «está na boa direção».

«Foi um esforço muito, muito grande. Notável. Queria felicitar todos os espanhóis e o presidente do Governo», disse, afirmando que «Espanha está a fazer o que deve por exigência da situação e não da Comissão».

Defendendo as reformas adotadas em Portugal, Espanha e Irlanda, Durão Barroso considerou que o que tem sido feito é «fundamental para o futuro» e para a aposta no crescimento sustentável.

A própria Europa, disse, conta hoje com elementos dos quais carecia anteriormente para responder a uma crise sem precedentes, como a atual e que, recordou, «não foi criada pela Europa».

«Gostávamos de ir mais longe, mais rápido mas somos uma união a 28 e isso torna-o mais difícil», disse.