As frequências utilizadas pela televisão pública grega ERT voltaram a ter emissões ontem à noite, com um filme, depois de estas terem sido suspensas de forma abrupta há um mês, constatou a agência noticiosa AFP.

Um velho filme grego, com interrupções ocasionais, foi difundido naquelas frequências, depois de desde a manhã de hoje os ecrãs terem uma mira fixa, que tinha em fundo um globo com ondas coloridas e escrito «televisão pública grega».

Os sindicatos da ex-ERT classificaram de «pirata» a retoma das emissões e, rejeitando os apelos do governo a abandonar a sede do grupo, apelaram aos empregados das cadeias de televisão privadas para que parassem o trabalho na quinta-feira, durante cinco horas.

O Governo grego encerrou a ERT em 11 de junho, o que pode implicar o despedimento da maioria dos seus 2.600 trabalhadores e provocou uma vaga de protestos e uma crise política que quase derrubou o Executivo de coligação dirigido pelo conservador Antonis Samaras.

Os empregados da ERT continuam a assegurar a transmissão de programas, entre os quais noticiários, que são transmitidos via Internet com o apoio do organismo europeu do audiovisual público, a partir da sede do antigo grupo ERT, nos arredores de Atenas.

Alguns dias após o início da crise, o principal tribunal administrativo grego deliberou que o encerramento da ERT se insere nas atribuições do Estado, mas considerou que o governo deveria garantir num curto prazo uma «forma de serviço público».

A decisão do executivo helénico sobre a ERT implicou acusações de autoritarismo e diversos grupos de media internacionais, enquanto os trabalhadores da estação pública continuam a recusar aceitar os despedimentos.