As remessas dos emigrantes aumentaram 1,4% no primeiro trimestre deste ano para 228,5 milhões de euros, enquanto o dinheiro enviado pelos imigrantes em Portugal diminuiu 2,9%, para 115,4 milhões de euros, divulgou hoje o Banco de Portugal.

A França continua a ser o país de onde é enviado mais dinheiro, com 202 milhões de euros, seguida dos emigrantes na Suíça, com 151 milhões, em Angola, com 75 milhões, a que se somam os 41 milhões de euros enviados pelos portugueses no Reino Unido e em Espanha e Alemanha, com valores ligeiramente acima dos 39 milhões de euros, e nos Estados Unidos, com 29,9 milhões.

De acordo com os valores recolhidos pela Lusa com base nos dados disponíveis do Banco de Portugal, a diferença mais significativa face aos valores do primeiro trimestre do ano passado aconteceu com os emigrantes de São Tomé e Príncipe, que tinham enviado 356 mil euros no primeiro trimestre de 2013, e mandaram apenas 107 mil euros de janeiro a março deste ano, o que mostra uma redução de 70%.

Em relação aos imigrantes, os brasileiros a trabalhar em Portugal foram os que mais enviaram dinheiro para o seu país de origem, num total de 53,2 milhões de euros, seguidos dos chineses, com 16,6 milhões, e dos ucranianos e angolanos, com 5,5 e 5 milhões, respetivamente.

Os cabo-verdianos e guineenses em Portugal mandaram menos 36,5% e 24,5%, respetivamente, ao contrário dos brasileiros, que enviaram mais 31,8% do que no mesmo período do ano passado, chegando aos 53,2 milhões de euros.