O ministro do Trabalho considerou esta terça-feira «um sinal de esperança e de confiança» a redução da taxa de desemprego em Portugal, que voltou a recuar em maio, para 14,3%, contra 14,6% em abril, segundo dados do Eurostat.

Taxa de desemprego em Portugal volta a descer em maio

«Neste momento o desemprego desceu para 14,3%, é certamente um sinal de esperança, é certamente um sinal confiança para muitas pessoas que estavam no desemprego e que agora conseguiram voltar ao mercado de trabalho», disse Pedro Mota Soares, citado pela Lusa.

«É certamente um sinal que estamos a assistir a uma recuperação da economia, é uma recuperação sustentada da economia que nos permite também conseguir resgatar portugueses que estavam no desemprego e conseguir encontrar uma colocação profissional», sublinhou.

Pedro Mota Soares falava aos jornalistas em Castelo de Vide, no distrito de Portalegre, à margem de um conjunto de visitas e inaugurações que está hoje a efetuar a instituições particulares de solidariedade social daquela região.

A taxa de desemprego em Portugal voltou a recuar em maio, para 14,3%, contra 14,6% em abril, menos 2,6 pontos percentuais do que um ano antes (16,9%), a segunda maior descida homóloga da União Europeia, segundo dados do Eurostat.

De acordo com os dados hoje avançados pelo gabinete oficial de estatísticas da UE, o desemprego tem estado a recuar de forma ininterrupta em Portugal no corrente ano, ainda que com ligeiras descidas, pois era de 15% em janeiro, 14,9% em fevereiro, 14,8% em março e 14,6% em abril.

Ainda assim, a taxa de desemprego em Portugal mantém-se como a quinta mais elevada da União, atrás de Grécia (26,8%, valor de março), Espanha (25,1%), Croácia (16,3%) e Chipre (15,3%), e muito acima da média quer da UE (10,3%), quer da zona euro (11,6%), que se mantiveram praticamente inalteradas (desceu 0,1% na União e estabilizou no espaço monetário único).

«É certamente um bom sinal, é um sinal que nos dá confiança e esperança, mas é também um sinal que temos que continuar a trabalhar. É fundamental nós olharmos para estes números, perceber que o desemprego em Portugal esteve em 17,3%, no final do ano passado estava em cerca de 15,6% e continuou-se a reduzir», observou.

Pedro Mota Soares reconhece, no entanto, que a redução é «lenta, mas consolidada».