A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, afirmou este domingo que Portugal «completou com sucesso» o programa de resgate, graças aos «grandes esforços» dos portugueses, considerando que o país começa agora a retirar os proveitos.

Lagarde defende «estrutura institucional» que preserve estabilidade de preços

«Hoje, Portugal olha para a frente. Está a completar com sucesso o seu programa de reforma económica, depois dos grandes esforços, determinação e sacrifícios feitos pelo povo português. Agora, além do combate imediato, começa a virar a esquina da crise e a construir sobre os progressos alcançados», afirmou Lagarde, num discurso proferido em Sintra.

A responsável pelo FMI falava na abertura da primeira edição do ECB Forum on Central Banking, organizada pelo Banco Central Europeu (BCE) e que vai decorrer em Sintra entre hoje e terça-feira.

Lagarde afirmou que, antes da crise, o consenso geral era o de que a política monetária devia ter como objetivo a estabilidade de preços, garantindo uma inflação baixa e estável.

No entanto, a crise financeira global de 2008 demonstrou que «as crises financeiras podem ser extremamente caras e que a recuperação pode ser excessivamente longa e complexa», afirmou, acrescentando que «a estabilidade financeira é um objetivo essencial e um que veio para ficar».

Num discurso com «mais perguntas do que respostas», Christine Lagarde interrogou-se sobre se a política monetária também deve incluir um objetivo de estabilidade financeira.

«O melhor resultado era ter políticas e instrumentos para combater diretamente os riscos financeiros», afirmou Lagarde, acrescentando que há várias medidas prudenciais, que procuram diminuir riscos financeiros sistémicos.

No entanto, alertou, «as políticas prudenciais podem não funcionar como previsto» e destacou que a experiência nas economias avançadas é «relativamente limitada», concluindo que «não há um guia definitivo».

«Temos de continuar a lutar por melhores estruturas prudenciais para o setor financeiro para não sobrecarregar a política monetária. Mas, quando as políticas macroprudenciais forem insuficientes, a política monetária terá um papel maior do que no passado para manter a estabilidade financeira», defendeu.

O Banco Central Europeu tem como mandato garantir a estabilidade de preços, tendo fixado como objetivo de médio prazo uma taxa de inflação «abaixo mas próxima dos 2%».