O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, reiterou esta quarta-feira que as reformas orçamentais exigidas para combater a crise na União Europeia estão a dar frutos, mas lembrou que há ainda um caminho a fazer na recuperação económica.

Sublinhando a importância do crescimento e desemprego para cimentar a recuperação económica, José Manuel Durão Barroso, que falava, em Estrasburgo, perante o Parlamento Europeu, pôs novamente a tónica no desemprego jovem.

«Não nos podemos dar ao luxo de perder uma geração inteira», disse, num debate sobre as prioridades da presidência semestral grega da União Europeia.

«Esperamos um crescimento ao longo deste ano na Grécia», disse Durão Barroso, para ilustrar os resultados positivos do caminho da contenção orçamental.

«Portugal tem tido um crescimento desde o ultimo trimestre do ano passado e a taxa de desemprego tem diminuído», salientou também, lembrando ainda que a Letónia, depois de um programa de ajustamento, «aderiu à zona euro e tem uma taxa de crescimento muito elevada».

Lembrando que «o risco sistémico da crise já passou», o chefe do executivo comunitário disse que a prioridade no final da legislatura do PE (as eleições europeias estão marcadas para maio) é a luta «contra as causas da crise» e a análise das «consequências das mesmas».

«Previu-se a saída da Grécia do euro e da UE, o facto de estar aqui hoje o primeiro-ministro a lançar esta nova presidência provam que estas profecias do mal estavam erradas», disse.

Na sua intervenção, o chefe do Governo de Atenas, Antonis Samaras, apresentou as prioridades para o semestre: promoção do crescimento e o emprego, completar a união bancária, fazer face aos fluxos migratórios e dinamizar a agenda marítima.

«Os recursos marítimos poderão ser a solução para os nossos problemas energéticos», salientou, sobre esta última prioridade.

«Mais e melhor Europa é a resposta à crise atual», disse ainda Samaras.