O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, disse esta quarta-feira, em reação à taxa de desemprego divulgada pelo INE que, «temos ainda uma taxa de desemprego muito elevada, sobretudo entre os jovens - apesar de ter recuado também entre o segmento mais jovem - mas temos também uma perspetiva para 2014 que é um pouco mais positiva do que aquilo que há um ano pensávamos que poderia existir».

Descida da taxa de desemprego é «extremamente positiva»

UGT: respostas do Governo ao desemprego são «insuficientes»

O Governante salienta, no entanto, que ainda há «muito trabalho por fazer» e que «o desemprego é, sem dúvida nenhuma, o principal problema social que o país tem pela crise económica pela qual passou e não vai desaparecer por magia apenas porque a economia está a crescer».

Passos Coelho diz que a solução para a criação de mais postos de trabalho e para a diminuição da taxa de desemprego passa pelo crescimento da economia, «a um ritmo mais forte do que aquele que está previsto».

Segundo os resultados do Inquérito ao Emprego do INE, entre outubro e dezembro, a população desempregada foi de 826,7 mil pessoas, o que representa uma diminuição homóloga de 10,5% e uma diminuição trimestral de 1,4% (menos 96,5 mil e menos 11,9 mil pessoas, respetivamente).

Já a população empregada foi de 4,56 milhões de pessoas, o que traduz um aumento homólogo de 0,7% e a um aumento trimestral de 0,2% (mais 29,7 mil e mais 7,9 mil pessoas, respetivamente).