A greve de 24 horas da Rede Ferroviária Nacional (Refer) fez com que apenas circulassem os comboios decretados como serviços mínimos até às seis da manhã desta quarta-feira, disse à Lusa a porta-voz da CP.

«O ponto de situação às seis da manhã é que foram apenas realizados os serviços mínimos decretados, o que em números traduz que circularam 28 comboios», revelou à agência Lusa Ana Portela, acrescentando que, num dia regular, haveria sessenta e três.

Já a porta-voz da Rede Ferroviária Nacional ¿ Refer, Susana Abrantes, remeteu esclarecimentos sobre a greve para as informações prestadas pela empresa na sua página oficial da internet, adiantando, no entanto, que a paralisação dos trabalhadores ao serviço da Refer «sente-se mais nos outros transportes».

O Tribunal Arbitral nomeado pelo Conselho Económico e Social decretou serviços mínimos para a greve das várias organizações representativas dos trabalhadores da Refer, e são apenas esses que, de acordo com Susana Abrantes, estão a ser realizados.

De acordo com o estipulado, foi garantida a abertura de canais horários que permitem a realização de cerca de 30% das circulações diárias, tendo sido privilegiados os períodos da manhã e final de dia, de forma a atenuar os constrangimentos decorrentes da greve junto dos utentes.

Na sua página na Internet, a CP - Comboios de Portugal, avisou os passageiros que, devido à greve dos trabalhadores da Refer, previa «fortes perturbações e supressões» de comboios em todos os seus serviços.

Na informação disponibilizada online, a CP recordou aos passageiros que o Tribunal Arbitral determinou a realização de serviços mínimos para os regionais, urbanos (Lisboa e Porto) e intercidades e internacionais, disponibilizando a lista dos comboios que serão realizados.

A transportadora diz ainda que, devido à greve convocada por vários sindicatos, na quinta-feira, deverão «ocorrer ligeiras perturbações nos serviços urbanos, regional e inter-regional».