Oslo, Praga e Munique são as cidades europeias onde é mais fácil encontrar emprego. Quem o diz são os próprios habitantes.

De acordo com o Eurobarómetro sobre qualidade de vida nas cidades europeias, divulgado ontem pela Comissão Europeia, 70% dos habitantes de Oslo consideram ser fácil encontrar trabalho na cidade. Em Praga, 63% dos inquiridos disse o mesmo e em Munique foram 58%.

Mas há também cidades onde, pelo contrário, é extremamente difícil encontrar um emprego. A pior é Palermo, segundo 98% dos habitantes locais. Mas também Nápoles (97%) e Málaga (94%) podem ser desafios para quem quer trabalhar.

Neste estudo, Lisboa compara mal com as outras cidades europeias: apenas 9% dos residentes disse ser fácil encontrar trabalho na capital portuguesa. Os outros 91% consideram a missão difícil. Lisboa obteve assim o segundo pior resultado de todas as capitais europeias incluídas, à frente apenas de Atenas, onde 95% dos inquiridos disse ser difícil começar a trabalhar ali.

O estudo inclui outras cidades portuguesas, mas em todas elas pelo menos mais de 80% dos entrevistados considerou difícil obter um emprego.

Neste Eurobarómetro, questionaram-se também os residentes relativamente à satisfação no trabalho. Oslo (81%) e Zurique (80%) voltam a liderar a lista, com mais de 80% a dizerem que é satisfatório trabalhar nas cidades. Aqui assumem relevo algumas cidades francesas, que não constam da lista das cidades onde é mais fácil encontrar emprego: Rennes com 78% e Paris.

No conjunto de todos os fatores avaliados no estudo, que inclui, entre outros, a qualidade do ar, transportes e serviços de saúde, Copenhaga, Amesterdão e Estocolmo têm os habitantes mais satisfeitos. Lisboa surge na 10ª posição da tabela de satisfação entre as capitais europeias, com 92% dos inquiridos a declararem-se satisfeitos por viver aqui.