A Procuradoria Geral da República está a investigar a TAP desde o ano passado, depois de uma denúncia anónima.

Segundo o jornal Público, a Polícia Judiciária começou a ouvir pessoas ligadas à empresa e que tinham informações sobre vários processos: a tentativa de privatização falhada em 2012, a gestão da Groundforce e a compra à Varig da unidade de manutenção no Brasil.

As diligências terão sido motivadas, segundo o Diário Económico, por suspeita de tráfico de influências e corrupção. O jornal escreve que nos últimos meses foram descobertos factos novos, o que levou a PGR a alargar o processo.

Contactada pela TVI, a PGR confirma a existência de investigações relacionadas com a TAP, mas como estão em segredo de justiça não adianta mais detalhes. Já a TAP garante desconhecer estas diligências.

A privatização em 2012 não chegou a acontecer. O grupo Synergy era o único candidato na fase final, mas o Governo cancelou o negócio, porque o grupo não teria garantias bancárias.