O Parlamento Europeu aprovou esta quinta-feira uma resolução a pedir que a Comissão Europeia tome medidas para que gigantes da Internet, como Google, separem os serviços comerciais dos motores de busca.

A resolução aprovada pede que o órgão executivo comunitário aplique «com firmeza» medidas que aumentem a concorrência e diminuam os obstáculos que dificultam o desenvolvimento do mercado digital único e tome propostas para «separar os motores de pesquisa de outros serviços comerciais».

Segundo o comunicado do Parlamento Europeu, que deu conta desta resolução, os eurodeputados consideram que «o mercado de pesquisa em linha é de particular importância para assegurar condições de concorrência no mercado único digital» e querem que esses motores sejam «imparciais e transparentes» na forma como disponibilizam a informação, para que as pesquisas não sejam discriminatórias, e haja diversidade de fontes de informação.

Apesar de nunca ser referido, esta proposta tem como alvo o Google e o seu domínio no mercado digital. A empresa tem estado sob os holofotes da Comissão Europeia desde 2010, em resposta a acusações de que o seu motor de busca abusa da posição dominante sobre os concorrentes.

O Parlamento Europeu não tem poder para pedir a divisão da Google, mas o movimento por dois eurodeputados está a deixar muita gente nervosa. A representação dos Estados Unidos junto da União Europeia já tinha dito, em comunicado, que vê «com preocupação» a resolução do Parlamento Europeu.

A legislação europeia não afeta diretamente a empresa nos Estados Unidos, mas pode afetar os negócios do Google na Europa, onde tem muita força.