A zona euro vai "fazer tudo para evitar qualquer risco de contágio" da crise grega, depois de recusar prolongar o programa de resgate a Atenas após 30 de junho, garantiu este sábado o ministro das Finanças alemão.

Wolfgang Schauble previu que a Grécia vá conhecer "grandes dificuldades nos próximos dias", garantindo que o país continuava a ser um "membro da zona euro".

O Eurogrupo rejeitou estender o atual plano de resgate a Atenas, que termina na terça-feira, durante mais uma reunião extraordinária sobre a Grécia, em Bruxelas.

O ministro das Finanças de França, Michel Sapin, defendeu que o destino" da Grécia é ficar na zona euro, de onde "nenhum país membro desejou que saísse".

Está fora de questão hoje que "a Grécia deixe de pertencer à zona euro", insistiu o ministro, mesmo que não tenha excluído a possibilidade de uma saída "como consequência" do referendo que o Governo grego quer realizar a 05 de julho sobre o plano de resgate proposto pelos credores.

Sapin afirmou que Paris está disponível para retomar o diálogo com Atenas a qualquer momento, sempre que o objetivo seja alcançar um acordo global e duradouro.