À chegada à reunião dos chefes de governo da zona euro, o primeiro-ministro grego sublinhou que está em Bruxelas à procura de um compromisso. “Devemos isso aos cidadãos europeus que querem uma Europa unida e não dividida”.

“Podemos chegar a acordo esta noite se todas as partes o quiserem”


Mas a chanceler alemã deixou o aviso e antecipa que a reunião não vai ser nada fácil:  “Não haverá um acordo a qualquer preço”.
 

À chegada da cimeira, Angela Merkel sublinhou que não há consenso dentro do Eurogrupo, ou seja, que a situação é “extremamente difícil”.A chanceler justificou que, neste dossiê, a "moeda mais importante desapareceu" e que "essa é a "confiança".

O presidente francês sublinhou que o Eurogrupo vai fazer tudo o que está ao seu alcance para chegar a acordo. François Hollande comentou ainda a ideia da saída temporária da Grécia da zona euro, um cenário que “apareceu” através de um documento que chegou este sábado à mesa do Eurogrupo:  “A situação é clara, ou está dentro ou está fora”.
   

O presidente da Comissão Europeia prometeu lutar até à última:
 

“Vamos lutar até ao último milissegundo e espero que haja acordo”, defendeu Juncker.

Também o primeiro-ministro da Eslovénia, apontado como um dos países que tem levantado objeções ao acordo, sublinhou que se perdeu muita confiança na Grécia .

O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schltz, está otimista num acordo. "O futuro da europa está em jogo", defendeu o responsável.
 

Para que o Eurogrupo aceite negociar um terceiro resgate, a Grécia vai ter de aceitar uma lista de condições,segundo a Reuters.
 
Este domingo, o eurodeputado e vice-presidente do Parlamento Europeu Dimitris Papadimulis acusou hoje a Alemanha de querer humilhar a Grécia ou de derrubar o governo de Alexis Tsipras, nas negociações do terceiro resgate, em Bruxelas.

“O que está aqui em causa é uma tentativa de humilharem a Grécia e os gregos ou tentar derrubar o Governo de Alexis Tsipras”, afirmou Papadimulis em entrevista à televisão privada grega Mega.


O mesmo argumento, o da humilhação dos gregos, já tinha sido usado por fontes governamentais citadas pela agência noticiosa ANA, logo pela manhã.