Angela Merkel deixou mais um aviso à Grécia: responsabilidade e solidariedade andam de mãos dadas. A responsável, que falava no parlamento alemão, considerou que Atenas estava no bom caminho, mas que o deixou incompleto.

Os ministros das Finanças do euro r eúnem-se esta quinta-feira no Luxemburgo para um Eurogrupo completamente focado na Grécia, mas sem um acordo à vista sobre o programa de resgate do país, que poderá estar à beira do incumprimento. 

Entretanto o presidente do Eurogrupo anunciou uma conferência de imprensa que vai acontecer antes da reunião, às 13:15, hora de Lisboa.
 
No Bundestag, Merkel reiterou que a Alemanha está a trabalhar para manter a Grécia na zona euro e que ainda é possível um acordo entre Atenas e os credores. Mas a Grécia, argumenta, tem de implementar reformas.

“Continuo convencida que querer é poder. Se os líderes gregos demonstrarem vontade, ainda é possível um acordo”.


Também o ministro francês das Finanças sublinhou esta quinta-feira que será uma “catástrofe total” se Atenas sair da zona euro. “Vamos lutar até ao fim para um acordo com a Grécia”, adiantou Michel Sapin a uma rádio francesa.

O ministro grego das Finanças, Yanis Varoufakis, declarou esta quarta-feira em Paris que não acredita num acordo sobre a dívida, no âmbito deste Eurogrupo.

A Grécia deve reembolsar o Fundo Monetário Internacional em cerca de 1,6 mil milhões de euros, no final do mês de junho.