O Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, voltou a opor-se a uma saída da Grécia da zona do Euro, argumentando que tal iria afastar os investidores, numa entrevista que será publicada na segunda-feira.

"Eu não partilho a ideia de que teremos menos problemas e constrangimentos se a Grécia abandonar o Euro", disse Juncker na entrevista ao jornal alemão Süddeutsche Zeitung.

O luxemburguês, que preside à Comissão, reúne-se na segunda-feira à noite, em Berlim, com a chanceler alemã Angela Merkel e com o Presidente francês François Hollande.

Apesar de a dívida grega não ser oficialmente a razão desta minicimeira, o chefe do executivo da União Europeia afirmou que ficará "muito surpreso", se esta não estiver no centro da reunião.

Muito ativo nas últimas semanas para diminuir a tensão entre o novo Governo grego de Esquerda radical e os seus parceiros europeus, Juncker disse temer que uma possível saída da Grécia da moeda europeia forme nos espíritos a "ideia que o Euro não é irreversível".

Junker adiantou que durante uma visita que fez recentemente ao Japão o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe deixou claro que os investimentos do seu país na Europa "dependiam da confiança" que inspira a moeda única no exterior.