Quase um mês depois de terem fechado portas, os bancos gregos voltam a estar ao serviço esta segunda-feira. O decreto do governo de Tsipras, divulgado este fim-de-semana, refere ainda que apesar do controlo de capitais se manter, os levantamentos e as compras são mais flexíveis.

No caso dos levantamentos, ao invés do limite máximo diário de 60 euros por cliente, os gregos podem agora levantar até um máximo de 420 euros por semana (são os mesmo 60 euros por dia, mas assim o clientes podem decidir se prefere levantar mais num dia e gerir o dinheiro semana a semana).

Também as compras com cartão de crédito vão ser mais flexíveis, mas continuam a só poder ser utilizados dentro do país.

Seguem-se algumas das restrições:

. Levantamentos com cartões de crédito ou pré-pagos estão proibidos

. As transferências de dinheiro para o estrangeiro estão proibidas

. Utilização do cartão de crédito no estrangeiro são é valida para compras de bens ou serviços onde não é possível pagar em dinheiro e com limites estabelecidos por cada banco

. Não é possível reativar contas ou abrir novas contas

A decisão de reabrir os bancos surge depois de na semana passada o Banco Central Europeu ter aumentado o financiamento de emergência à banca grega em 900 milhões.

A semana que passou fica ainda marcada pela decisão do Eurogrupo de aprovar um financiamento imediato a Atenas - o chamado empréstimo ponte - no valor de 7 mil milhões de euros.

Os ministros das finanças da zona euro aprovaram também o arranque das negociações para o terceiro resgate à Grécia.

Já esta segunda-feira Grécia já deu ordem para fazer reembolsos aos credores e “limpar” a ficha de crédito, avança a Bloomberg, citando fonte do Ministério das Finanças grego. Dos sete mil milhões de euros que recebeu do empréstimo-ponte, aprovado na semana passada, Atenas paga ao Banco Central Europeu 3,46 mil milhões de euros em obrigações que vencem esta segunda-feira.