A Grécia está confiante que vai conseguir alcançar um acordo com os credores internacionais, e que esse acordo será aprovado pelo parlamento helénico.

“O governo está a fazer tudo o que pode para calcançar um acordo imediato e terminar com este ciclo de incerteza”


Entrevistado por uma televisão grega, o porta-voz do governo, Gabriel Sakellaridis, citado pela Reuters mostrou-se confiante num desfecho favorável.

“ Estou certo de que o grupo parlamentar do Syriza e a coligação de governo vão passar o acordo”

Mas a ala mais à esquerda do Syriza opõe-se: o ministro da Energia, Panagiotis Lafazanis rejeita um terceiro resgate, embora espere um acordo de ajuda financeira entre Atenas e os credores, em breve.

“Não queremos um terceiro resgate de dura austeridade que não trará perspetivas de crescimento ao país”.

Com ou sem terceiro resgate, a diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI) voltou a afirmar que a solução para a questão grega terá de passar sempre por uma restruturação da dívida.
  
Segundo a Associated Press, Lagarde, que falou em Washington DC, não deixou, no entanto, de frisar que a Grécia terá de continuar as reformas e cortes na despesa.

O Mecanismo Europeu de Estabilidade recebeu esta quarta-feira um pedido de resgate por parte da Grécia, com a duração de três anos. As propostas vão ser apresentadas esta quinta-feira até à meia-noite, o mais tardar.

“O empréstimo será usado para cumprir as obrigações da dívida grega e para assegurar a estabilidade do sistema financeiro”, refere o documento.


Os bancos gregos vão permanecer fechados até segunda-feira, dia 13, mantendo-se o limite diário de 60 euros para levantamentos nas caixas multibanco.