A Presidência dos EUA saudou esta segunda-feira o acordo entre a Grécia e os outros membros da zona euro, considerando que se tratou de um passo importante e “credível” na boa direção.

“Os EUA congratulam-se com este acordo”, declarou Josh Earnest, porta-voz do Presidente Barack Obama, embora alertando que ainda existem “etapas importantes” a ultrapassar para impedir que a Grécia caia num abismo económico.

Também o secretário do Tesouro, Jack Lew, expressou a sua satisfação com o acordo, dizendo, em comunicado, que este “fornece as bases para restaurar a confiança entre as partes e cria as condições para que a Grécia continue na zona euro”.

O acordo fechado na cimeira da zona euro para se avançar com um terceiro programa de resgate à Grécia, no valor de  86 mil milhões de euros, impõe condições a Atenas com calendários a curto prazo. 

Em relação à dívida, o documento realça que há uma "preocupação" em relação a este tema. Um perdão da dívida está fora de questão, mas a reestruturação poderá passar por alargar o período de carência ou o prazo de pagamento. No entanto, uma renegociação da dívida só será abordada depois da primeira avaliação ao cumprimento do terceiro resgate a Atenas.   

Até quarta-feira, o Parlamento grego tem que aprovar medidas como o aumento do IVA e o alargamento da base tributária para aumentar as receitas fiscais, a reforma do sistema de pensões - incluindo a garantia da sua sustentabilidade a longo prazo -, o assegurar da independência do instituto de estatísticas grego (ELSTAT) e a aplicação integral das principais normas previstas do Tratado de Estabilidade, Coordenação e Governação na União Económica e Monetária.