O Ministério das Finanças grego vai enviar este domingo uma carta de três páginas a Bruxelas com as reformas que pretende realizar para que as instituições façam uma avaliação inicial, segundo a agência Efe. 

O objetivo é que as instituições enviem observações durante a tarde deste domingo e, assim, moldar a proposta que Atenas vai apresentar na segunda-feira às instituições europeias para conseguir estender o financiamento ao país por mais quatro meses. 

Segundo os meios de comunicação locais, as medidas não incluem um custo concreto das reformas, mas são semelhantes às propostas políticas, ou seja, o Governo explica os seus métodos para combater a evasão fiscal, a corrupção, a reforma da administração pública e combater a crise humanitária.
 
Os ministros das Finanças da zona euro chegaram, na sexta-feira, a acordo com o Governo grego para a extensão do resgate por quatro meses. O ministro grego das Finanças, Yanis varoufakis, mostra-se satisfeito com o acordo alcançado e diz que este «é o primeiro passo» para acabar com o memorando
 
As autoridades gregas comprometeram-se a conduzir uma série de reformas, em linha com as condições previstas no atual programa, tendo que apresentar já esta segunda-feira uma lista com medidas.
 
Na segunda à noite ou na terça-feira, as instituições, incluindo o Fundo Monetário Internacional, irão analisar a lista para confirmar que se trata de «um ponto de partida válido e suficiente», com vista a concluir de forma bem-sucedida o atual programa de assistência, e, se for o caso, terão então lugar os procedimentos nacionais para oficializar a extensão da assistência.