Atenas mantém algumas linhas vermelhas na proposta que enviou esta quinta-feira aos credores internacionais.

O documento, a que o Financial Times teve acesso, mostra que Atenas mantém um imposto de 12% sobre os lucros das empresas acima de 500 mil euros.

A Grécia quer também repor contribuição do empregador para 3,9%. E um aumento das contribuições para pensões suplementares de 3% para 3.5%.

E mantém a exigência de não subir o IVA na hotelaria para 23%, como querem os credores.

Mas a nova proposta também tem cedências: o aumento da idade da reforma para os 67 anos passa agora para 2022, como constava das exigências dos credores. Atenas cede também aos credores na receita fiscal do IVA: os credores querem que esta represente 1% do PIB, enquanto Atenas propõe agora qu represente 0,93% do PIB (ao invés dos 0,73% que tinham proposto antes).