Um acordo com a Grécia sem o Fundo Monetário Internacional (FMI) é "impensável", considerou esta sexta-feira o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem.

Sem o FMI, um acordo é "impensável", porque "o conteúdo deve ser real e se (o acordo) tiver um conteúdo real, o FMI também participará", declarou Dijsselbloem em declarações à imprensa em Haia, um dia depois de o FMI ter anunciado que a equipa de negociadores tinha deixado Bruxelas e regressado a Washington.

Na quinta-feira, o FMI abandonou Bruxelas depois de 11 horas de negociações, alegando que o acordo com a Grécia estava "bastante longe" devido às "grandes diferenças" em temas "chave" com os credores internacionais.

Segundo a edição de hoje do jornal alemão Bild, o governo alemão está a fazer “consultas concretas” para determinar o que fazer se a Grécia entrar em incumprimento. Entre os cenários, avança o periódico, está a introdução do controlo de capitais e um corte no valor da dívida.