Não houve acordo na reunião desta manhã entre Tsipras e os credores. Segundo as agências internacionais, continuam a estar duas propostas em cima da mesa, que transitam para o Eurogrupo desta tarde. Mas antevê-se que o acordo não chegue hoje, pelo menos nas palavras do ministro espanhol.
  Já o ministro das Finanças alemão não ficou nada satisfeito. No final da reunião disse aos jornalistas que a Grécia deu um passo atrás.

 
O presidente do Eurogrupo indicou que não há ainda acordo entre a Grécia e as instituições, e perspetiva-se "trabalho duro" na reunião de ministros das Finanças de hoje para tentar ultrapassar as divergências que persistem.

Dando conta de uma proposta conjunta acordada entre as instituições - Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI) -, Jeroen Dijsselbloem afirmou que a mesma foi rejeitada pelo Governo grego, pelo que é necessário ouvir agora as suas "ideias", designadamente "aquilo com que concordam e discordam" relativamente aos documentos sobre a mesa, e "negociar-se-á a partir daí".

Entretanto o ministro das Finanças de Malta, Edward Scicluna, revelou aos jornalistas que Atenas enviou nova proposta aos credores, depois da reunião da manhã. fontes adiantam que há ministros que se recusam a analisar duas propostas.

De manhã chegou o ultimato dos credores a Atenas, a apenas um dia do prazo que haviam dado para chegar a um acordo: Tsipras tinha até às 10:00, hora de Lisboa para apresentar uma nova base de trabalho, ou seja, novas propostas, aos credores. A reunião entretanto já terminou.

Caso não o tenha feito, os credores vão submeter as suas próprias propostas à reunião do Eurogrupo, às 12:30 de Lisboa o que, segundo fontes da UE, é o que vai acontecer, já que as negociações foram "muito difíceis" para os dois lados. 

Fonte do Govenro grego, citada pela Reuters, adianta que as propostas que Atenas apresentou eram realistas e que o país tem mostrado disponibilidade para encontrar uma solução.

Caso não cheguem a acordo, há a possibilidade de agendar um Eurogrupo para sábado. 
 
O ministro das Finanças austríaco, Hans Jörg Schelling, citado pela Reuters, adiantou que o prazo final para chegar a um acordo é no domingo. 

A informação é revelada pelas agências internacionais, numa altura em que os credores apertam o certo ao governo de Tsipras. O Banco Central Europeu decidiu manter o teto de financiamento de emergência à banca grega (ELA).

E, uma vez mais, o banco central mostra-se disponível para reunir nas próximas 24 horas, para decidir se há necessidade de uma nova injeção de liquidez na banca grega. No total, o BCE já injetou 8,2 mil milhões de euros na banca grega, para fazer face à fuga massiva de depósitos devido ao receio de que o país entre em default. 

Só esta semana já houve proposta de Atenas e contraproposta dos credores, que ambos os lados rejeitaram. O líder parlamentar do Syriza, Nikos Filis, classificou mesmo de “chantagem” a contraproposta vinda das instituições.

O Eurogrupo desta quarta-feira terminou sem acordo, numa altura em que começa realmente a esgotar-se o tempo para Atenas conseguir o dinheiro de que precisa para cumprir o pagamento ao Fundo Monetário Internacional.