A Comissão Europeia não está satisfeita com os progressos feitos nas negociações com a Grécia, quanto às reformas a aplicar no país para desbloquear ajuda financeira, defendendo que é preciso «intensificar» os trabalhos antes do Eurogrupo da próxima semana.

«Não estamos satisfeitos com os progressos feitos até agora. Temos de intensificar os trabalhos antes do próximo Eurogrupo», disse Margaritis Schinas, na conferência de imprensa habitual do executivo comunitário, em Bruxelas.

Atenas está desde fevereiro - quando foi prolongado o atual programa de resgate, até junho - em negociações com os credores oficiais sobre as reformas a adotar no país que permitam desbloquear a ajuda financeira necessária, quando os cofres públicos helénicos estão a ficar vazios para fazer face aos pagamentos.

Na reunião dos ministros das Finanças (Eurogrupo), que se realizará a 24 de abril, em Riga (Capital da Letónia), era esperado que se chegasse a um entendimento que permitisse superar o impasse em que está o atual plano de resgate do país.

No entanto, não é certo que haja acordo perante as dificuldades que as negociações têm enfrentado, com posições ainda muito distantes entre o Governo liderado por Alexis Tsipras e os credores reunidos no chamado Grupo de Bruxelas (constituído por Comissão Europeia, Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional).

Apesar de a Grécia já ter apresentado várias listas com propostas de reformas, as instituições continuam a exigir medidas mais aceitáveis em troca da última fatia do seu programa de assistência financeira, de 7,2 mil milhões de euros.