O número de patentes pedidas por Portugal ao Instituto Europeu de Patentes aumentou 7,6% em 2014, face a 2013, ultrapassando a média de crescimento de 1,2% dos 38 Estados-Membros da organização, foi anunciado esta quinta-feira.

De acordo com dados divulgados pelo IEP, em comunicado, Portugal apresentou, no ano passado, 183 pedidos de patentes, mais 13 comparativamente a 2013.

Apesar do aumento verificado, Portugal ocupa o 23º lugar entre 25 países-membros do IEP.

Com dez pedidos de patentes por um milhão de habitantes, Portugal ficou ainda abaixo da média da União Europeia, que registou 131 pedidos.

O setor farmacêutico está representado em 10% dos pedidos portugueses, seguindo-se o da biotecnologia, com 9%, e o da engenharia civil, com 8%, que, em 2013, atingia 15% das solicitações.

Segundo o IEP, com sede em Munique, na Alemanha, trata-se do terceiro ano consecutivo de crescimento do número de patentes pedidas por Portugal, depois do decréscimo verificado em 2010 e 2011.

As empresas de biotecnologia Biosurfit, de indústria do café Novadelta e de sistemas de instalação sanitária Oliveira e Irmão foram as que solicitaram, no ano passado, mais patentes ao IEP, quatro cada, seguindo-se a empresa Prefer - Equipamentos para Decapagem e as universidades de Aveiro e Porto, com três pedidos cada.

Dos Estados-Membros do Instituto Europeu de Patentes, Eslováquia (+64,7%), Polónia (+21,5%), Grécia (+20,8%), Eslovénia (+12,6%) e Holanda (+9,1%) foram os países que tiveram um maior crescimento no número de pedidos em 2014, face ao ano precedente.

Em contrapartida, Finlândia (-9,3%), Hungria (-7,3%) e Malta (-5,9%) foram os países que registaram uma maior queda no número de solicitações de patentes ao IEP.

Fora da Europa, as empresas chinesas (+18,2%) e norte-americanas (+6,8%) foram as que tiveram, em 2014, face a 2013, um maior crescimento no número de pedidos, ao invés das japonesas, que assistiram a um decréscimo (-4,4%), apesar de o Japão ser o segundo país com mais solicitações de patentes (48.657), atrás dos Estados Unidos (71.745).

A Alemanha foi, em 2014, o país europeu com mais pedidos de patentes (31.647), seguindo-se França (12.873) e Holanda (8.104). A Eslováquia, que teve o maior crescimento de 2013 para 2014, é o país, porém, com menos solicitações (84).

No ano passado, 64% dos pedidos de patentes dirigidos ao IEP saíram de grandes empresas e no restante de pequenas e médias empresas (30%) e universidades ou institutos de pesquisa (6%).

Na lista das dez empresas com mais pedidos de patentes, em 2014, a Samsung surge no topo, com 2.541 pedidos, seguindo-se, ainda nos lugares cimeiros, a Philips (2.317), a Siemens (2.133) e a LG (1.638).

A patente concedida pelo IEP é válida em 38 países europeus, incluindo Portugal.