A inflação subiu 1,9% em março, num subida impulsionada sobretudo pelos preços do vestuário, que dispararam depois do fim da época de saldos. Os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística estão em linha com o previsto pelos analistas e comparam com a queda de 0,4% que tinha sido verificada em fevereiro.

"A classe com maior contributo positivo para a taxa de variação mensal do índice total foi a do Vestuário e Calçado, com uma variação mensal de 27,6% (-5,6% no mês anterior e 27,3% em março de 2015)

Já o maior contributo negativo pertenceu à categoria Lazer, recreação e cultura, de -0,6%.

Na comparação anual, o Índice de Preços no Consumidor fixou-se em 0,4%, enquanto na média dos últimos 12 meses foi de 0,6%, variação igual à média nas previsões dos analistas consultados pela Reuters.

Nesta comparação com março de 2015, o INE destaca o aumento da classe dos Restaurantes e Hotéis, que passou de 0,% em Fevereiro para 1,8% em Março, enquanto nas classes com contribuições negativas salientou a dos Transportes "devido sobretudo à redução dos preços do sub-subgrupo dos combustíveis".

Principais contribuições para a variação mensal do Índice de Preços no Consumidor 

Vestuário de mulher

0,510

Vestuário de homem

0,420

Vestuário de criança e bébé

0,197

Calçado de mulher

0,145

Hotéis, motéis, pousadas e similares

0,129

Recorde-se que no Orçamento de Estado para este ano, o Governo prevê inflação de 1,2%. Em 2015, foi de 0,5%.