A contabilização da prostituição, da droga e do contrabando prevista no novo Sistema Europeu de Contas (SEC2010) vai fazer aumentar o PIB em 0,4%, indicaram esta quarta-feira responsáveis do Instituto Nacional de Estatística (INE), escreve a Lusa.

Estado pode ir buscar 500 milhões à prostituição

O INE contabilizava já, nas suas análises às contas portuguesas, a chamada 'economia não observada', que incluía atividades não declaradas (ilegais ou legais), o que corresponde a cerca de 13% do PIB.

Mas a introdução do SEC2010, uma nova metodologia para as contas públicas que entra em vigor em setembro para os países da União Europeia, «vem incluir explicitamente estimativas relativas a atividades ilegais como o tráfego de droga e a prostituição», explicou o diretor de Contas Nacionais do INE.

«Estas atividades ilegais [associadas à prostituição, à droga e à prostituição] correspondem a 0,4% do PIB», estimou Pedro Oliveira, num encontro com jornalistas sobre os impactos da introdução do SEC2010 nas contas portuguesas.

Por outro lado, o responsável do INE recordou que as análises às contas nacionais incluem também o chamado 'gap do IVA', ou seja, o 'buraco' entre as receitas apuradas pelas finanças e aquele que seria obtido com estas atividades 'não observadas'.

Segundo os responsáveis pelas contas nacionais do INE, este 'gap do IVA' [Imposto Sobre o Valor Acrescentado] representou, em 2010, cerca de 2 mil milhões de euros.