O indicador de confiança dos Consumidores aumentou ligeiramente em setembro, atingindo o valor mais elevado desde outubro de 2006.

Sentimento económico luso sobe e contraria zona euro

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística, o valor do indicador resultou da recuperação das expetativas sobre a evolução da situação económica do país e das perspetivas de evolução da poupança e da situação financeira do agregado familiar, enquanto as perspetivas relativas à evolução do desemprego contribuíram negativamente.

Já o indicador de clima económico estabilizou, no valor máximo desde julho de 2008, suspendendo o perfil crescente iniciado em janeiro de 2013.

Em setembro, o indicador de confiança aumentou na Indústria Transformadora, à semelhança dos dois meses anteriores, fixando o máximo desde setembro de 2008, em resultado do contributo positivo das opiniões sobre a procura global.

O indicador de confiança da Construção e Obras Públicas diminuiu ligeiramente em setembro, suspendendo o movimento ascendente apresentado desde dezembro de 2012

Já o indicador de confiança do Comércio agravou-se nos últimos quatro meses, refletindo em setembro o contributo negativo de todas as componentes.

Segundo o INE, também o indicador de confiança dos Serviços diminuiu de forma ténue em setembro, interrompendo o acentuado perfil ascendente observado desde o final de 2012, devido ao agravamento das apreciações sobre evolução da carteira de encomendas e sobre a atividade da empresa.