A presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Teodora Cardoso, propôs hoje nas jornadas parlamentares do PSD a criação de uma taxa a incidir nos levantamentos de dinheiro de contas onde os cidadãos recebam salários e pensões.

Admitindo que tal imposto «não existe em lado nenhum» e é apenas uma ideia, que está a ser discutida por exemplo em Inglaterra, Teodora Cardoso apresentou a proposta aos parlamentares do PSD no primeiro dia das jornadas parlamentares do partido, a decorrer em Viseu.

À margem da sua intervenção na sessão com os parlamentares, Teodora Cardoso desenvolveu perante os jornalistas a ideia apresentada na sala.

«Este imposto consistiria nos rendimentos das pessoas, seja trabalho ou capital, quaisquer rendimentos, serem pagos a uma conta bancária de poupança. Seria sobre os levantamentos dessa conta que indiciaria o imposto, com o pressuposto que só levantaríamos dinheiro dessa conta para gastar», declarou a presidente do CFP.

O imposto, sublinhou, «seria progressivo sobre o valor da despesa e não sobre o rendimento» e teria como vantagem ser um imposto de incentivo à poupança, «a maneira de financiar o investimento».