Portugal está hoje nos mercados com uma emissão de dívida a dez anos, pela primeira vez desde maio do ano passado, antecipa a agência Bloomberg.

Citando fonte próxima do processo, a Bloomberg prevê que os títulos sejam colocados com um spread entre 320 a 325 pontos base, sem adiantar que valor deverá rondar a taxa de juro.

Já na segunda-feira, aquela agência de notícias tinha divulgado que Portugal tinha contratado um sindicato bancário, composto pelo Barclays, Banco Espírito Santo (BES), Citi, Crédit Agricole, RBS e Société Générale, para fazer uma emissão de dívida a 10 anos, ou seja, com maturidade em fevereiro de 2024.

Esta emissão de longo prazo será, segundo a mesma fonte, uma etapa crucial para Portugal na saída em maio do programa de assistência financeira, acordado em 2011, no valor de 78 mil milhões de euros.

A operação está a decorrer hoje de manhã, depois da emissão de 3,25 mil milhões de euros em dívida com maturidade a cinco anos, efetuada em janeiro, com o Estado a pagar um juro de 4,657%. Na última emissão a dez anos efetuada em maio de 2013, o Tesouro Português colocou 3 mil milhões de euros à taxa de 5,669%, face a uma procura de mais de 10 mil milhões de euros.

Às 10:40 de hoje, os juros a dez anos seguiam em queda para 4,986%, face aos 4,992% no final de segunda-feira, abaixo dos 5% pela quarta sessão consecutiva, em níveis que não se registavam desde fevereiro de 2010.