A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS) acusa a administração do Metropolitano de Lisboa de «pouca vontade em resolver problemas», depois de a empresa ter desmarcado, na semana passada, uma reunião agendada para hoje.

«Não houve reunião. A administração do metro desmarcou e não marcou nova data», disse à Lusa o coordenador da FECTRANS, José Manuel Oliveira.

Para o sindicalista, a decisão da empresa revela «pouca vontade em resolver os problemas» que opõem as duas partes.

«Não se resolvem questões só com uma parte. Têm de ser duas», acrescentou José Manuel Oliveira.

O sindicalista disse ainda à Lusa que a FECTRANS mantém-se disponível para dialogar com a administração do metro.

Contactada pela Lusa, a administração do Metropolitano de Lisboa disse que vai ter esta semana reuniões informais com cada um dos sindicatos representativos dos trabalhadores da empresa e, para a próxima semana, uma reunião formal com todos os sindicatos.

No ano passado, os trabalhadores do metro fizeram várias greves em protesto contra o decreto-lei 133/2012, que «pretende abrir as portas à concessão da empresa e, uma vez mais, reduzir trabalhadores, reduzir os seus direitos e reduzir a sua remuneração».