O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) regressou à Plataforma de Sindicatos da TAP, por haver «uma certeza contra a privatização» entre as 12 estruturas representadas, disse à Lusa o diretor do SNPVAC, Nuno Fonseca.

O SNPVAC tinha abandonado na terça-feira a Plataforma de Sindicatos da TAP por ter discordado do documento que esta estrutura entregou ao Governo e que «abria a porta» à privatização da transportadora.

Quatro dias depois, a Plataforma anunciou em comunicado que volta a reunir 12 sindicatos, «num sinal de convergência contra este modelo de privatização previsto para a TAP».

Contactado pela Lusa, Nuno Fonseca explicou que agora «estão reunidas as condições para parar este processo de privatização». «Houve uma mudança em relação ao documento e há uma certeza contra a privatização», disse.

A plataforma que representa os trabalhadores da TAP convocou uma greve de quatro dias, entre os dias 27 e 30, na sequência da recusa do Governo de suspender a privatização da companhia.

Na quinta-feira, o Governo aprovou uma requisição civil que abrangerá cerca de 70 por cento dos trabalhadores da TAP, permitindo realizar todos os voos previstos para os quatro dias da greve.

Na terça-feira, o presidente do SNPVAC, Rui de Carvalho, apresentou a demissão por desacordo com a restante direção quanto ao abandono da plataforma sindical da TAP. Rui de Carvalho foi substituído na presidência por Luciana Passo.