Os pilotos e a administração da TAP estiveram perto de um acordo, mas à última hora o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil recusou as propostas da administração da empresa.
 
Segundo o Diário de Notícias, a proposta previa mais 10% de ajudas de custo, o pagamento de mais horas extraordinárias, um prémio de 1,5% ao ano e a suspensão dos processos disciplinares em curso.
 
Os pilotos acabaram por recusar as propostas e manter a greve, argumentando que era mais do mesmo e classificando as propostas de “insignificantes” e “pouco credíveis”.
 
A greve durou dez dias e terminou este domingo. A paralisação terá custado mais de 30 milhões de euros à empresa.

Mas os prejuízos podem não ficar por aqui: os pilotos da TAP já admitiram voltar à greve. A decisão será votada em assembleia-geral.