Os trabalhadores da Soflusa, empresa responsável pelas ligações fluviais entre o Barreiro e Lisboa, decidiram esta terça-feira aguardar pelo desfecho das conversações com a empresa, daqui a uma semana, antes de avançarem para novas formas de luta.

"Os trabalhadores decidiram aguardar pelo resultado da reunião que vai decorrer no dia 14 de outubro. A empresa tinha uma reunião agendada no âmbito do processo da Transtejo mas deu abertura para que a Soflusa também esteja presente", disse Carlos Costa, do Sindicato dos Transportes Fluviais Costeiros e Marina Mercante, afeto à Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS).

O responsável sindical explicou que os trabalhadores decidiram também, no plenário que decorreu no Barreiro, manter a greve ao trabalho extraordinário que decorre há vários meses.

"Vamos manter a greve ao trabalho extraordinário e aguardar. Neste momento, estão excluídas outras formas de luta até se concluírem as reuniões", defendeu.

Em setembro, os trabalhadores da Soflusa realizaram cinco dias de greve parcial, que afetou as ligações, em especial nas horas de ponta da manhã e tarde, exigindo uma revisão da massa salarial.

Durante a tarde de hoje, as ligações entre as duas margens sofreram perturbações devido à realização do plenário, mas já foram normalizadas.

"A ligação fluvial já está completamente normalizada. Não se registou paralisação, apenas uma ligeira perturbação do serviço, com a supressão de duas carreiras, entre as 14:00 e as 15:30", anunciou a empresa.