Pires de Lima admite que a crise grega terá consequências para economia nacional, mas acredita que: 

"Portugal não será nem mais nem menos afetado do que os outros países"

 
Mas, pela primeira vez, o ministro da Economia reconhece que Portugal vai sofrer as consequências do impasse na Grécia, seja qual for o desfecho: terceiro resgate, ou então a saída da moeda única.
 
Pires de Lima acredita num impacto partilhado de tudo o que se passa na Grécia, mas lembra que Portugal não é a Grécia e não refreia o otimismo perante os últimos dados do INE sobre a balança comercial de bens.
 
No ano passado, as exportações de produtos nacionais cresceram 1,8%, enquanto a subida das importações foi de 3,2%. Houve, por isso, um agravamento de 967 milhões de euros no défice.
 
Dez meses depois de ter aprovado a criação de um banco de fomento, o ministro da economia anuncia que a instituição financeira já esta a contratar pessoal...e vai ter 1500 milhões de euros ao dispor das pequenas e medias empresas no segundo semestre deste ano. O dinheiro virá de fundos europeus.