O investimento igual ou superior a 350 mil euros em atividades de investigação desenvolvidas por instituições públicas ou privadas vai permitir a atribuição de vistos gold, de acordo com as novas alterações ao regime divulgadas esta segunda-feira.

As alterações ao regime das Autorizações de Residência para a atividade de Investimento foram apresentadas pelo vice-primeiro-ministro, Paulo Portas.

A reforma do regime prevê a possibilidade de concessão de autorização de residência pela transferência de capitais no montante igual ou superior a 350 mil euros aplicado em atividades de investigação desenvolvidas por instituições públicas ou privadas de investigação científica, integradas no sistema científico e tecnológico nacional.

Além disso, prevê-se ainda a possibilidade de concessão de autorização de residência pela transferência de capitais» no montante igual ou superior a 350 mil euros» aplicado em «investimento ou apoio à produção artística, recuperação ou manutenção do património, ou seja, cultura», adiantou o governante.

O novo regime inclui ainda a concessão de vistos gold pela compra de bem imóvel com «realização de obras de reabilitação urbana», no valor igual ou acima de 500 mil euros.

«Proporemos uma discriminação positiva para os investimentos que se encontrem em territórios de baixa densidade, ou seja, NUT III com menos de 100 habitantes por quilómetro quadrado ou um PIB [Produto Interno Bruto] per capita [por habitante] inferior a 75% da média nacional», disse.

A atribuição atual de vistos gold, criados no âmbito do programa de Autorização de Residência para Atividade de Investimento em Portugal (ARI), é feita mediante três requisitos: aquisição de bens imóveis de valor igual ou superior a 500 mil euros, a transferência de capitais no montante igual ou superior a um milhão de euros e a criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho.

A autorização de residência para cidadãos estrangeiros que façam grandes investimentos no território português é uma das medidas que tem sido defendida pelo vice-primeiro-ministro e líder do CDS-PP para atrair capitais para Portugal.

Os vistos gold têm estado em destaque depois de, em novembro passado, a investigação policial Operação Labirinto ter conduzido à prisão preventiva cinco de 11 arguidos, entre eles vários altos quadros do Estado, como o presidente do Instituto dos Registos e Notariado, António Figueiredo, o diretor nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Manuel Jarmela Palos, e da ex-secretária-geral do Ministério da Justiça, Maria António Anes, suspeitos de diversas práticas ilícitas como corrupção.

Miguel Macedo demitiu-se do cargo de ministro da Administração Interna, por considerar que a sua autoridade tinha ficado diminuída.