O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) abandonou a plataforma sindical da TAP por discordar do documento que foi entregue ao Governo e que «abre a porta» à privatização da transportadora, segundo uma nota interna.

Na nota, a que a Lusa teve acesso, o SNPVAC comunica aos seus associados a saída da plataforma, após «muitas horas de reunião», por considerar que o documento enviado ao Governo «abre a porta a uma privatização» que não defende.

Os 12 sindicatos, que representam os trabalhadores da TAP convocaram uma greve de quatro dias, entre 27 e 30 de dezembro, na sequência da recusa do Governo de suspender a privatização da companhia aérea.

O ministério da Economia marcou para esta terça-feira ao meio-dia uma declaração sobre a greve de quatro dias convocada por 12 sindicatos dos trabalhadores da TAP em protesto contra o processo de privatização da empresa.

A posição do ministério surge poucas horas depois de os sindicatos terem anunciado que vão manter a greve dos dias 27 a 30 de dezembro, na sequência da recusa do Governo de suspender a privatização da transportadora aérea.

Em causa está a aprovação pelo Governo, no dia 13 de novembro, do processo de privatização da TAP, através da alienação de ações representativas de até 66% do capital social da TAP SGPS.

De acordo com o plano, o Estado ficará com uma opção de venda de até 34% do capital remanescente, ao adquirente na venda direta de referência, caso faça uma apreciação positiva do cumprimento das obrigações pelo mesmo assumidas no âmbito da reprivatização.