A retoma económica portuguesa está a atrair o interesse de investidores e parceiros comerciais estrangeiros por Portugal, afirmou esta quinta-feira o secretário de Estado adjunto e da Economia durante uma visita de trabalho ao Reino Unido.

Leonardo Mathias falava após a abertura de um seminário da Câmara de Comércio da Grande Manchester, considerada a maior do Reino Unido, cujos associados movimentam cerca de 48 mil milhões de libras (57,5 mil milhões de euros).

«Dizem-nos que conhecem as nossas praias e campos de golfe, mas neste momento estão interessados em conhecer a retoma económica, reformas e a economia portuguesa», contou o governante português à agência Lusa.

O seminário, organizado com a AICEP ¿ Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, centrou-se nas áreas dos moldes, componentes automóveis e tecnologias de produção, cujas respetivas associações industriais portuguesas (POOLNET, AFIA e Produtech) estiveram representadas, bem como 30 empresas destes setores.

As categorias «Máquinas e Aparelhos», «Veículos e outros meios de Transporte» e «Plásticos e borrachas» já representam 38,3 por cento (992 milhões de euros) das exportações para o Reino Unido, que em 2013 totalizaram 2.593 milhões de euros, segundo o Instituto Nacional de Estatísticas.

A iniciativa do evento partiu dos ingleses, adiantou Leonardo Mathias, que fez uma apresentação sobre os mais recentes desenvolvimentos na economia e os resultados do programa de ajustamento português.

Mas o secretário de Estado recebeu mais manifestações de interesse em investir em Portugal durante reuniões em Londres na quarta-feira, nomeadamente com «um dos maiores fundos soberanos e um dos maiores fundos de pensões do mundo».

O fundo soberano, que o secretário de Estado apenas identificou como sendo não europeu, descreveu-o como sendo um tipo de investidor que interessa muito a Portugal porque tem objetivos de médio e longo prazo.

«Não é um investidor que chega, ganha dez por cento e vai-se embora amanhã. Foram claros em dizer-nos que estão interessados em investir, mas fundamentalmente com interesse nas gerações futuras. É um investidor de tipo regular e estável», enfatizou.

Do fundo de pensões, além de investimentos em empresas, Leonardo Mathias recebeu interesse em ativos reais, como projetos de infraestruturas.