O ministro da Economia, António Pires de Lima, manifestou-se confiante quanto ao cumprimento das previsões que o Governo estabeleceu para o cenário macroeconómico na proposta de Orçamento de Estado para 2015.

«Portugal vai cumprir, pelo menos, aquelas que são as previsões que o Governo estabeleceu no seu cenário macroeconómico» para o próximo ano, disse Pires de Lima, no final de uma visita à fábrica do grupo Visteon, em Palmela, durante a qual foi anunciada a criação do novo centro de pesquisa e desenvolvimento, o Visteon Technical Center Portugal.

O governante contrariava, desta forma, as previsões económicas de outono, divulgadas esta terça-feira em Bruxelas pela Comissão Europeia, que reveem em baixa as previsões para o próximo ano, sendo mais pessimistas que as do executivo português.

Também esta terça-feira a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, desvalorizou as estimativas europeias.

Bruxelas prevê agora um crescimento económico do país de 1,3% em 2015, abaixo de 1,5% previsto pelo Governo na proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano, e um défice de 3,3% do Produto Interno Bruto em 2015, muito acima dos 2,7% inscritos pelo Governo na proposta de Orçamento, o que, a concretizar-se, manterá o país sujeito a um Procedimento de Défice Excessivo.

Na ocasião, Pires de Lima mostrou-se confiante de que «Portugal vai continuar a crescer em 2015, vai continuar a convergir com a média europeia, coisa que não acontecia há muito tempo, e aconteceu pela primeira vez em 2014, mas que vai continuar acontecer em 2015».

Além disso, o ministro da Economia destacou o fato de, em 2015, o desemprego continuar a sua trajetória de descida.