Mais importante que o tipo de saída do programa de assistência financeira, o que é central é que haja a garantia de que as atuais políticas são para continuar, avisou o gabinete do comissário europeu Olli Rehn a Jornal de Negócios, numa altura em que o Governo discute o Documento de Estratégia Orçamental.

O valor exato das medidas de consolidação ainda não é conhecido, uma vez que há variáveis em aberto. A CE avaliou a austeridade deste ano em cerca de 3,8 mil milhões de euros (2,3% do PIB) e estimou que para baixar o défice em 2015 é preciso encontrar 2 mil milhões (1,2% do PIB).

Amanhã , Maria Luís Albuquerque estará em Atenas para participar num encontro informal de ministros das Finanças do Euro,onde deverá dar conta da situação portuguesa.