O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, afirmou esta terça-feira que «ainda nada está decidido» sobre as alterações nos suplementos remuneratórios na Função Pública e que poderão afetar sobretudo a PSP, a GNR e as Forças Armadas.

Uma notícia do Correio da Manhã de hoje dá conta de que os suplementos remuneratórios na Função Pública vão deixar de ser atualizados com a progressão na carreira, de acordo com uma nova tabela que deverá ser aprovada esta quinta-feira e que se aplica a todos os trabalhadores do Estado, sendo os mais afetados os agentes da PSP, os militares das Forças Armadas e da GNR.

Segundo a notícia, os suplementos remuneratórios passarão a ter um valor mensal fixo, diferente do que acontece atualmente, em que a percentagem é calculada a partir do salário base, traduzindo-se numa redução na remuneração mensal dos funcionários públicos.

Confrontado com a notícia, Miguel Macedo disse que «nada está decidido».

«Falarei quando tivermos a solução para isso. Não vou estar a fazer nenhuma antecipação em relação a essa situação e não confirmo nada dessa informação. Ainda não tive oportunidade de ler com cuidado a notícia mas não vou fazer nenhuma consideração antes de a matéria estar decidida e nada está decidido. Não percebo os termos em que algumas dessas notícias têm saído. Os suplementos e subsídios não são todos determinados em percentagem. Não percebo qual é o problema», disse aos jornalistas.

O ministro da Administração Interna presidiu hoje à cerimónia de inauguração da 50.ª Esquadra da PSP de Cascais e da Esquadra de Turismo.