O ex-presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso já reagiu à polémica levantada por ter aceitado o cargo de presidente não-executivo da Goldman Sachs. Em entrevista ao jornal Expresso, Barroso diz que estas críticas não fazem sentido.

Barroso diz que se ficasse na vida política seria acusado de viver à conta do Estado, como decidiu pela vida privada está a aproveitar-se da experiencia adquirida na politica.

É-se criticado por ter cão e por não ter”, afirmou Barroso ao Expresso.

O antigo primeiro-ministro português vai ser presidente não executivo e consultor da Goldman Sachs, um dos maiores bancos de investimento do mundo – e um dos mais polémicos - que vale 55 mil milhões de euros.

No início de maio, Durão Barroso disse que se ia retirar da vida política e que até tinha recebido um convite para trabalhar no setor privado.

Vai assim juntar-se ao ex-ministro José Luís Arnaut que, há dois anos, passou a ser membro do conselho consultivo internacional do banco.

Barroso vai abdicar de uma parte do subsídio que recebe por ter sido presidente da Comissão Europeia.