Os administradores das empresas portuguesas cotadas em bolsa receberam 110 milhões de euros em 2012, cerca de 240,4 mil euros por administrador, em termos anuais, de acordo com um relatório hoje divulgado pela CMVM.

«As remunerações pagas aos membros do órgão de administração, no âmbito do perímetro de consolidação das sociedades cotadas, atingiram 110,0 milhões de euros, ou seja, aproximadamente 240,4 mil euros por administrador», lê-se no relatório anual sobre o Governo das sociedades cotadas relativo a 2012 da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Este valor representa uma diminuição de 9% face aos 264 mil euros auferidos por administrador em 2011.

As remunerações fixas representaram 63,8% do total auferido e as variáveis 27,8% (63,7% e 23,8% em 2011, respetivamente).

Dezoito sociedades referiram ter instituída uma comissão de governo societário e dezassete referiram existir uma comissão de avaliação nas suas organizações. Treze sociedades cotadas afirmaram ter uma comissão de nomeações ou equiparável. Foram cinco as sociedades que afirmaram ter constituída uma comissão de estratégia e investimentos.

No seu conjunto, as sociedades emitentes recorreram aos serviços de dez auditores externos diferentes. O número de anos que, em média, os auditores externos prestam consecutivamente serviços ao emitente foi de 9,7 anos.

Apenas duas sociedades declararam impor uma limitação ao número de anos em que os auditores externos poderão prestar serviços à sociedade, informou o supervisor.

Em termos do cumprimento das recomendações, o grau médio de adoção aumentou, passando de 89% em 2011 para 91% para 2012. Por seu turno, o grau médio de cumprimento das recomendações essenciais passou de 85% em 2011 para 88% em 2012.

No que respeita à análise do cumprimento das regras de comply or explain, em termos globais, em 55% das situações de incumprimento das recomendações da CMVM a explicação avançada pelas sociedades foi tida como efetiva pela CMVM.