Pedro Sousa Carvalho teme que o Banco Espírito Santo (BES) fique sem reaver os empréstimos que fez às empresas do Grupo Espírito Santo (GES). Em entrevista na TVI24, o diretor adjunto do jornal «Público» manifestou-se igualmente convencido que a Rioforte não vai pagar o empréstimo contraído junto da PT.

Na mesma entrevista, Pedro Sousa Carvalho realçou uma questão moral: o que acontecerá a Ricardo Salgado, depois de ter reconhecido que no BES e no GES houve irregularidades consideradas crime?

«Em Portugal temos o presidente do Banco Espírito Santo, Ricardo Salgado, dá uma entrevista a um jornal a dizer que no banco dele, e nas empresas do grupo dele, foram cometidas irregularidades, ou seja, esconderam 1,3 mil milhões de euros, ou seja, ele está a confessar que houve um crime no banco (...) e não acontece nada?! (...) Desde 2008, que o banco está a vender produtos aos seus clinetes (...) com base em contas de empresas que estão falsificadas, e não acontece nada?!», questionou o jornalista.

Sobre a saída de Morais Pires do banco, Pedro Sousa Carvalho entende que é a «situação mais natural do mundo». Para o jornalista seria «estranho é que Morais Pires ficasse no banco». «Morais Pires a única coisa que não tem é o apelido Espírito Santo, de resto nos últimos 28 anos esteve, tal como a família, à frente do banco», justificou.